O Dia Internacional contra a Discriminação Racial é celebrado anualmente em 21 de março e é uma data que reforça a luta contra o preconceito racial em todo o mundo. No Brasil, essa luta só começou a se intensificar após a Constituição Federal de 1988 que definiu o crime de racismo como inafiançável e imprescritível.


Origem da Data

[bs_row class=”row”]
[bs_col class=”col-sm-12″]

O dia foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU), em memória ao “Massacre de Sharperville”, que ocorreu em 21 de março de 1960. Nessa data, aproximadamente vinte mil pessoas protestavam contra a “Lei do Passe”, em Joanesburgo, na África do Sul. Ela obrigava os negros a andarem com identificação que limitava os locais por onde poderiam circular dentro da cidade. Tropas militares do Apartheid atacaram os manifestantes e mataram 69 pessoas, além de ferir mais de uma centena de outras.

[/bs_col]
[/bs_row]


Situação no Brasil

Homens, jovens, negros e de baixa escolaridade são as principais vítimas de mortes violentas no País, de acordo com o Atlas da Violência 2017, lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Atualmente, a cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras. Os negros possuem chances 23,5% maiores de serem assassinados em relação aos outros brasileiros, já descontando o efeito da idade, escolaridade, sexo, estado civil e bairro de residência.

Em relação às mulheres, enquanto a morte de mulheres brancas, amarelas e indígenas caiu 7,4% entre 2005 e 2015, entre as mulheres negras o índice subiu 22%.

Não fique calado, faça a sua parte

O Disque Direitos Humanos, Disque 100, aceita denúncias de racismo e injúria racial, acusações que mais cresceram no canal nos últimos anos. As violações mais comuns são as de discriminação, violência psicológica, violência física, violência institucional e negligência.

Além de racismo, o Disque 100 também aceita denúncias de violência ou discriminação contra mulheres, homofobia, xenofobia, intolerância religiosa, pornografia infantil, apologia e incitação a crimes contra a vida, neonazismo e tráfico de pessoas.

Ajustar fonte