Nos moldes de um Hospital que se preocupa com a qualidade e a segurança do atendimento prestado ao seu paciente, o Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime (HEELJ), em Pirenópolis, vem realizando diversos treinamentos para o seu corpo clínico e técnico. Uma das capacitações realizadas com suas equipes das áreas assistenciais foi o Protocolo de Dor Torácica.

Este protocolo já está implantado desde 2015, através de uma ação do Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente. Contudo, sua revisão deve ser constante. Atualizar os colaboradores em conformidade com as novas diretrizes da American Heart Association fortalece a equipe e a torna uma equipe de excelência.

O Protocolo de Dor Torácica recebeu uma atenção especial do HEELJ por ser de perfil epidemiológico, o que oferece maior possibilidade de salvamento de pacientes graves. Este protocolo foi atualizado com estudos mais recentes e acompanha os centros de referência mundiais.

Atualização constante

A Diretora Técnica do HEELJ e responsável pelos treinamentos, Ludmila Marques de Oliveira, explica que a capacitação começou há duas semanas. Desde então, já ocorreram seis apresentações com diferentes grupos de profissionais do Hospital.

Outro foco é o Protocolo de SEPSE que trata, geralmente, de casos de infecção generalizada. As apresentações começaram na semana passada e os profissionais estão sendo treinados para uma assistência efetiva e eficaz. Sendo a SEPSE uma das maiores causas de morte intra-hospitalar no mundo inteiro; fazer o diagnóstico precoce e iniciar as medidas de supressão modificam o prognóstico do paciente. Em todos os protocolos, o objetivo é preparar os profissionais para realizarem diagnósticos rápidos em casos que representam alta gravidade.

Para hospitais que buscam a certificação da Acreditação Hospitalar, estes protocolos são os básicos. Também houveram treinamentos em vários outros que complementarão o quadro de capacitações, transformando a equipe do HEELJ em profissionais de ponta no atendimento de Urgência e Emergência.

Ajustar fonte