Ainda em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a Humanização do Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime (HEELJ) promoveu nos dias 09, 10 e 11 palestras com as psicólogas do Hospital. Dentre os temas abordados não faltou saúde da mulher, afeto, acolhimento e sexualidade.  

De acordo com o Coordenadora de Humanização do HEELJ, Gisela Jaime, o evento tem papel de aproximar a Instituição da comunidade. “O convite para as psicólogas teve o intuito de falar sobre nós mulheres, guerreiras, mães, trabalhadoras que saem de casa cedo e só voltam de noite e que tem tantas funções. Então, a homenagem é para sensibilizar e trazer informações”, afirmou Gisela. 

Ciclo de palestras

Na segunda feira, dia 9, a palestra foi com a psicóloga Talissa Rodrigues sobre  o tema “Mulheres sem rivais”. A psicóloga reforçou que casa pessoa é única e não há necessidade de serem rivais. “Promover a aceitação na mulher é também falar de saúde. Como posso empoderar outra mulher, o afeto, dar um abraço, dizer boas palavras e posso desejar que outra mulher pode ser incrível sem afetar o valor individual de cada uma”, pontuou Talissa. 

A paciente que estava aguardando atendimento na recepção, Sulamita Alves Barros, afirmou que estava triste e cabisbaixa e, então, ao ouvir a palestra da psicóloga, mudou logo o astral. “Ouvir falar sobre abraço, amor próprio e ao próximo. Eu precisava ouvir algo assim, desejo que aconteça sempre esse tipo de trabalho”, declarou.

Já no segundo dia, o tema abordado foi “O afeto, afeta”, com a psicóloga Simone Rosa. Ela procurou sensibilizar e conscientizar as mulheres para que possam aguçar a curiosidade de conhecerem a si mesmas. “Aceitar as fragilidades e as limitações, não ter medo de buscar ajuda quando não dá conta de alguma situação quando algo as aflige. Priorizarem a si mesmas, buscar saúde emocional e psíquica para poder ofertar ajuda a outras mulheres também”, ressaltou Simone.

Para a paciente da psicóloga, que por coincidência estava no momento da palestra, a dona de casa Vilma da Costa, a mensagem que fica é do autocuidado. “Na maioria das vezes acabamos esquecendo de nós, donas de casa, achando que a vida é cozinhar, lavar e passar. A psicóloga mostrou que temos que ter o prazer de olharmos para nós e, assim, melhoramos também a nossa relação em casa”, disse Vilma.                                                                                

Por fim, no último dia, a psicóloga Mariana Cotrim procurou abordar a saúde emocional e a importância da autoestima. “Não tem como falar de saúde da mulher sem lembrarmos sobre como é importante elas estarem conectadas com elas mesmas para que consigam perceber os sinais que o corpo dá, faz parte da autoaceitação e do respeito por si mesma”, reforçou Mariana.

Ajustar fonte