O objetivo é nobre e o Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime (HEELJ) teve a honra de participar do Projeto Escola Viva, na Escola Estadual Professor Ermano da Conceição. O intuito da ação é o de tirar os jovens e crianças da rua, garantindo acesso e permanência de todos os alunos na escola. Na sexta-feira, 23 de agosto, foram oferecidas atividades diversas, como corte de cabelo, saúde bucal e atendimentos de prevenção com colaboradores do Ernestina.

A equipe do HEELJ ficou responsável pela realização de eletrocardiograma, aferição de pressão e atendimentos com nutricionista e psicólogo. De acordo com a assistente de humanização Gheovanna Lowrranny Fernandes, a participação do Hospital aproxima ainda mais a comunidade. “Foram realizados vários testes de prevenção. Quando foi diagnosticado alguma alteração, já encaminhamos para o atendimento na Unidade. Fortalecemos o vínculo com a comunidade”, pontuou Gheovanna.

Reconhecimento na cidade

Para o nutricionista do HEELJ, Marcos Antônio, levar dicas nutricionais para a comunidade no Escola Viva faz parte do objetivo de promover e conscientizar sobre hábitos saudáveis entre a população. “Encontramos pessoas com várias dúvidas sobre alimentação e em relação a algumas patologias, como diabéticos e hipertensos”, disse Marcos. 

Segundo a diretora da Escola, Jucelia da Trindade Silva, o Projeto Escola Viva contribuiu humanizando a interação com os alunos, com as outras escolas, secretarias e o HEELJ. “O Hospital Ernestina prestou diversos atendimentos que foram de grande valia para a comunidade como um todo. O Hospital tem dado uma grande contribuição para a melhoria da qualidade da saúde na cidade”, reconheceu.

O lavrador Paulo Cesar Rosa, estava próximo a escola e decidiu participar. Ele fez o exame eletrocardiograma, teste de glicemia e aferição de pressão. “Foi de grande valia. Cuidar da saúde, tanto para pessoas mais de idade ou as crianças e jovens aqui na escola; é uma oportunidade de parar para olhar como está a saúde. Se descobrirmos antes a doença, é mais fácil de curar”, afirmou o paciente.

Ajustar fonte