O Carnaval se aproxima e, com ele, os riscos relacionados à saúde. Uma das maiores preocupações relacionadas a festa é a prevenção a doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Além do consumo excessivo de álcool. Pensando na saúde, principalmente dos adolescentes, o Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime (HEELJ), em Pirenópolis, promoverá uma campanha de conscientização nos dias 27 e 28 de fevereiro, quarta e quinta-feira.

A campanha contará com palestras com a psicóloga Thayana Carvalho Conrado e a assistente social do HEELJ, Ednalva Francisca Pereira. As escolas estaduais de Pirenópolis receberão as palestrantes nos três turnos; matutino, vespertino e noturno. Os profissionais visitarão a Escola Estadual Comendador Joaquim Alves; Colégio Estadual Senhor do Bonfim; Colégio Estadual Ermano da Conceição; e o Colégio Estadual da Polícia Militar Comendador Cristóvam de Oliveira.

Para a gestora de humanização do HEELJ, Helga Jaime de Oliveira, as palestras vão abordar os cuidados com drogas lícitas e os efeitos das drogas ilícitas, DST e ansiedade. “Nos preocupamos com nossos jovens, visto que há um grande número de adolescentes fazendo um consumo exagerado de bebidas alcóolicas, principalmente durante o Carnaval”, comenta.

A palestra da psicóloga Thayana Carvalho vai diferenciar as drogas repressoras, as estimulantes e as perturbadoras; quais os tipos intervenção e tratamento; como identificar os aspectos do uso abusivo dessas substâncias e quais campos da vida podem ser prejudicados. “O foco está nos aspectos físicos e nos problemas que o uso de drogas pode causar ao longo da vida”, explica.

DSTs

Por sua vez, a palestra acerca dos riscos de contrair DSTs ficará a cargo da assistente social Ednalva Francisca Pereira. O Brasil vive um surto de DSTs, com reflexos em Goiás. O maior crescimento do número de casos está relacionado à sífilis. O boletim epidemiológico da sífilis de 2018, divulgado pela Coordenação Estadual de IST/Aids, informa que nos últimos 5 anos, observou-se um aumento de notificação no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) de casos de sífilis em gestante, sífilis congênita e sífilis adquirida. O problema pode ser atribuído à redução do uso de preservativos, entre outros fatores.

Em Goiás, de 2016 para 2017, houve um aumento de 33% nos casos de sífilis em gestantes, 31% nos casos de sífilis adquirida e 2% nos casos de sífilis congênita. Dados do Ministério da Saúde (MS) estimam que entre 70 e 100% das vezes em que mulheres infectadas com a doença engravidam e não tratam acontece a transmissão vertical. O diagnóstico precoce e tratamento oportuno dos casos são essenciais para evitar a transmissão vertical da sífilis.

O monitoramento da sífilis congênita feita pela Secretaria de Saúde de Goiás (SES) dá conta de mais de 1400 casos da doença no período de 2000 a 2016. A pesquisa informa ainda que as crianças mais afetadas são de mães que têm idades entre 20 e 29 anos de idade (52% dos casos). Esses números também são maiores em mulheres que frequentaram a escola por, no máximo, sete anos (24%).

A gonorreia também é uma DST cuja proliferação preocupa os especialistas, já que a bactéria responsável pela doença está se tornando resistente aos antibióticos mais tradicionais e baratos.

 

Mais informações:

– Nome do evento: Campanha sobre DST e Álcool na adolescência
– O que é o evento: Palestras com a psicóloga e a assistente social do HEELJ nas escolas estaduais de Pirenópolis/GO
– Data: 27 e 28/02
– Horário: Matutino, vespertino e noturno
– Locais: Escola Estadual Comendador Joaquim Alves;
Colégio Estadual Senhor do Bonfim;
Colégio Estadual Ermano da Conceição;
Colégio Estadual da Polícia Militar do Estado de Goiás Comendador Cristóvam de Oliveira.
– Palestrante: Ednalva Francisca Pereira/Assistente Social;
Thayana Carvalho Conrado/Psicóloga.

Ajustar fonte