Desde o começo do mês de março, os colaboradores do Hospital Estadual de Pirenópolis Ernestina Lopes Jaime (HEELJ) vem participando de uma agenda completa de treinamentos. Com foco especial em SEPSE, popularmente conhecida como ‘infecção generalizada’; houve apresentação de casos clínicos e explicação de protocolos do dia 5 ao dia 9 de março.

“O treinamento foi realizado em vários dias da semana para atender a equipes diferentes”, afirmou a Diretora Clínica do Hospital, Ludmila Marques de Oliveira. Ela esclareceu que são vários os protocolos para padronizar o atendimento. “São mais de cinquenta tipos. Foram escolhidos alguns levando em consideração o perfil epidemiológico do Ernestina”, disse.

A identificação rápida da doença e o tratamento adequado são o diferencial para a sobrevida e, para isso, é necessário que as equipes estejam interligadas. Ludmila ressaltou que os quadro de doenças infecciosas podem evoluir e por isso são tão perigosos. “Qualquer tipo de infecção pode evoluir para uma SEPSE. Se o paciente chega nesse quadro, necessita de um diagnóstico precoce”, pontuou.

Outros treinamentos

Paralelo ao treinamento em SEPSE, o Ernestina iniciou também o de administração segura de medicação, ou seja, a checagem dos remédios que vão ser administrados. “Para todo medicamento é preciso estar ciente dos efeitos colaterais. É recomendado que o paciente fique no Hospital, depois de administrados os de alto risco, por exemplo”, explicou Ludmila.

Outra capacitação que foi realizada recentemente foi a de Protocolo de Dor Torácica. Os colaboradores presenciaram aulas para se adequar às novas diretrizes da American Heart Association.

Acreditação

Os treinamentos estão sendo realizados levando em consideração o processo que o Hospital enfrenta em busca da Acreditação Hospitalar em Segurança do Paciente.

Ajustar fonte