A população de Pirenópolis e dos municípios vizinhos terão ainda melhores condições de atendimento à saúde. Isso porque o centro cirúrgico do Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime, fechado desde 2001, abre as portas novamente nesta terça-feira (20), às 20h, com honrarias do governador Marconi Perillo e o secretário de Estado da Saúde de Goiás Leonardo Vilela.

A unidade passou por reformas e investimento em novos equipamentos médico-hospitalares, instrumentos cirúrgicos e adequações físicas e estruturais. O novo centro cirúrgico do hospital é dotado de duas salas cirúrgicas e de equipamentos fundamentais para a realização de cirurgias de médio porte, entre os quais, foco cirúrgico, ventilador mecânico, monitor cardíaco, bomba de infusão e desfibrilador.

Serão ofertados em torno de 100 novos procedimentos cirúrgicos/mês à população, com o início das atividades. O secretário de Estado da Saúde, Leonardo Vilela, destaca que a reestruturação e o pleno funcionamento do centro cirúrgico do Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime constitui uma das metas da SES-GO para garantir um atendimento mais ágil e eficaz aos cidadãos de Pirenópolis e de localidades próximas.

Com a reabertura do novo espaço, a equipe realiza o anseio de oportunizar a efetivação das cirurgias no próprio hospital, sem a necessidade dos pacientes serem encaminhados para outros municípios, como Goiânia e Anápolis.

 

 

Sobre o HEELJ

O Hospital Estadual Ernestina Lopes Jaime é administrado pela organização social Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH). A unidade, que completa 22 anos em setembro, possui 33 leitos e presta um grande serviço à população de Pirenópolis e região, além de atender o grande fluxo de turistas em épocas festivas na cidade.

No hospital são realizadas, em média, quatro mil exames e 900 consultas ambulatoriais em várias especialidades médicas, como cardiologia, ginecologia, otorrinolaringologia, endocrinologia, psiquiatria, neurologia e geriatria. Ainda são realizadas consultas não médicas, como enfermagem, psicologia e nutrição. Cerca de 165 pessoas são internadas mensalmente na unidade.

Ajustar fonte