Há cinco anos, momento em que o Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH) assumiu a gestão do Hospital Estadual de Pirenópolis Ernestina Lopes Jaime (HEELJ), a Unidade passou a contar com um Técnico de Segurança do Trabalho. O dia 27 de novembro simboliza a data em que a profissão foi regulamentada no Brasil. Este profissional é responsável por garantir a segurança para os colaboradores na Unidade. É ele quem identifica, orienta e indica as medidas que podem evitar acidentes de trabalho.

Como explica o Técnico de Segurança do Trabalho do HEELJ, Fernando Tóquio, todos os tipos de adornos são expressamente proibidos. Isso inclui o uso de brincos, pulseiras, colares, anéis, tanto para área administrativa quanto para a assistência. “Tenho a responsabilidade de conferir se todos estão de acordo com a Norma R32, dos adornos e mais. É preciso fiscalizar o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como máscaras e luvas, por exemplo”, relata.

Além disso, qualquer tipo de manutenção dentro da Unidade, passa primeiro pelo crivo de Fernando Tóquio. “Existe uma completa integração de quais procedimentos de segurança devem ser feitos dentro da Unidade para qualquer tipo de atividade. A garantia de segurança para os colaboradores, naturalmente, reflete na segurança dos pacientes”, ressaltou.

Comissão Interna

O HEELJ conta ainda com uma Comissão Interna de Proteção de Ambientes (CIPA). O grupo é formado por oito colaboradores de diferentes áreas. Metade deles são eleitos democraticamente pelo corpo de funcionários do Hospital e a outra parte é selecionada pela direção. Fernando Tóquio, presidente da CIPA desde junho de 2018, afirma que a Comissão funciona como “um olho auxiliar do técnico de segurança”.

Fernando ressalta ainda a importância da segurança do trabalho para recente conquista do HEELJ da Acreditação ONA 1. “Hoje, somos uma Unidade acreditada com o selo da ONA 1 e estamos trabalhando para garantir o ONA 2. Para isso, precisamos cumprir os procedimentos, principalmente do que diz respeito à segurança no trabalho”, esclarece.

Ajustar fonte